terça-feira, 31 de maio de 2011

Gênese e o Zepelim

De tudo que é criador,

Do velho Olimpo aos novos lucros,

Ela já foi recriada.

Explica aos ignorantes

Como o tudo indesejado

Só vem a quem não tem nada.

Dá-se assim, pra quem aceita

Na garganta, na porrada

Atrás de tanto mal contado.

É a rainha dos isentos,

Dos medrosos, dos injustiçados,

Dos pensamentos limitados.

E assim se vai a esperança

Desse meu povo sem saúde,

Na hipocrisia de um existir.

Senhor, tende piedade!

É por falta de afinidade

Essa minha inquietação?


Jogaremos pedras na Gênese!

Jogaremos bostas na Gênese!

Enquanto ela não nos ensinar

A limpar esse cuspe

Escarrado na nossa estupidez

Maldita Gênese!

segunda-feira, 30 de maio de 2011

De Divinópolis

A primeira vez que a vi foi no ABC ali da Vinte e Um de Abril. Eu estava ali comprando um pouco de cotidiano e entrei na prateleira de suco. O ABC é o maior supermercado de Divinópolis, onde vai todo mundo: os poetas, as donas de casa, os garotos a mando das mães. Os mendigos até vão, mas nunca os deixam entrar, então eles ficam do lado de fora pedindo esmola. E lá na prateleira de suco tava ela, comprando suco no cotidiano divinopolitano.
De suco eu entendo. De comprar suco quando bate o primeiro sinal da Rede, avisando que são onze horas. Aí minha mãe grita: menino, vai no ABC comprar as coisa pro almoço!
Tem dia que dá uma saudade de Divinópolis. Até mesmo de ir no ABC, e olha que tudo lá é bem caro, devido ao monopólio. Dizem que ultimamente até baratearam os preços, por conta de um supermercado novo que vem adentrando aos poucos na cidade. O problema é que é um supermercado de fora e no fundo acho melhor pagar mais caro e dar um pouco de emprego pra minha gente.
Mentira, eu prefiro pagar mais barato mesmo.

Voltando ao dia do suco, do ABC e essas coisas, confesso que na hora me deu uma vontade danada de perguntar se ela queria ajuda porque não é qualquer um que escolhe bem os sucos. Aí eu penso, imagina ela aqui do meu lado agora e falando: "Quer ajuda pra escrever aí?" Então foi melhor ter me recolhido a minha falta de lirismo e não ter falado nada mesmo.
Se bem que às vezes eu penso de quando eu vou na prateleira das verduras e as donas me ajudam a escolher as coisas. "Menino, olha bem a ponta do quiabo: só compra se ela quebrar facinho". Odeio quiabo, mas adoro quando as donas vem falando essas coisas pra mim. Nunca se sabe das revoluções que a vida dá, e vai que eu passo a gostar de quiabo?
Por enquanto ainda não gosto de quiabo, mas nunca mais consegui comprar suco sem lembrar de poesia.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Enventos

Lá fora chove solidão
Aqui dentro brisa
Um eu que me traz a mim

Lá fora, o caos
De se sonhar em sensatez
Aqui dentro
Com alma, a calma
Se se teme
Não se tem

Lá fora
Sempre se chega lá
Aqui dentro
Voar em bando
É medo de voar

Ela me convida pra sair
Me acusa: inventor de ermos!
Me defendo: invento que ela existe.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Poema de Merda Poética

Após em sonhos me perder,
Tenho um estranho despertar
Tenho vontade de merda escrever
Ou poesia cagar?

E a culpa, em quem colocar?
No livro insano que ontem eu li?
Na feijoada enlatada que ontem comi?

A vingança interna não cabe mais em mim
O desejo de justiça e liberdade se espreme pra sair
Sento na privada, só me vem devaneios sem fim
Penso na amada, só vem aquele cheiro ruim a subir

Me tire daqui! -A poesia implorando a gritar-
Me tire deste corpo apertado que já não me suporta
Dê descarga, e mande ao esgoto o que já não importa
A merda, por sua vez, só quer se eternizar:
Me passe para o papel! É assim que quero partir
Entre o lixo e o incômodo biológico do existir

Olhem bem que homem me tornei!
Não sei o que declamar, ao que limpar
Mas sei bem o que farei
Se acaso me permitirem delirar.

As Quatro Gordas do meu Apocalipse - Parte 1

Fazia quatro gordas que eu não era feliz. Fazia três meses que eu só comia gordas, gordas, gordas e a Duda, uma cheiinha que também incluirei na raça das gordas para aumentar o meu drama. Conto sobre ela e as demais gordas mais tarde. Agora é hora de falar do meu inferno e das reencarnações que fui obrigado a passar lá. Falarei desse tormento maldito que vivi, e que ainda sinto que foi tudo graças a alguma maldição demoníaca da minha ex, Gabi.

Gabi, aquela que eu mais comi (com o perdão da rima), não tinha nada de gorda. Tinha o corpo inteiramente suculento. Gostosa com todas as letras, com todos os peitos redondos, branquinhos e ainda com mamilos rosa. Uma daquelas mulheres gostosinhas desde pequena. Chegou até a tentar dar uns passos como modelo na pré-adolescência, por incentivo dos seus sonhos medíocres de classe média. Não aguentou muito tempo. Mandou tudo à merda (acho que é daí que vem sua mania de mandar tudo à merda) e resolveu perder a virgindade com quatorze anos, dando pra um marginalzinho qualquer da zona norte.

Merdas e merdas, anos e anos depois, Gabi me conheceu numa dessas festas de “cheire quanta cocaína que seu nariz puder” e acabamos nos encaixando, literalmente. Acho que ela via em mim afinidade, o mesmo passado promissor e o futuro com nada pela frente. Enquanto isso, eu via nela aqueles peitos redondos, branquinhos e com mamilos posicionados milimetricamente no lugar certo.

Um dia, enquanto eu a tocava, ela se tocou. Deu uma dessas crises de mulher louca e disse que queria terminar. Me mandou à merda. Nem me importei, apesar de forjar uma cara de desentendido. Fiquei triste mesmo por não poder ter terminado o serviço e de ter de guardar o pau duro na calça jeans. No mais, sempre soube que esse dia chegaria. Era só questão de tempo. Questão de merda, ela mandava todos e tudo à merda. Ouvi tudo e logo percebi que ela não queria me ouvir. Sai de sua casa e prometi ligar pra ela mais tarde, para marcar o término da trepada, quer dizer, para conversarmos melhor. Ela continuou me mandando à merda.

Virei a esquina da sua rua e ainda ouvia seus palavrões. Felizmente, palavrões sempre me remetem a liberdade. Logo comecei a imaginar a liberdade que me esperava. Imaginava a quantidade de gostosas que poderia comer. Por alguns segundos de insanidade, até pensei “ela nem era tão gostosa assim”. Imaginava as orgias que estavam por vir, com mulatas, japonesas e gêmeas suecas. Mas nenhuma dessas vieram.

Vivi na merda, assim como Gabi havia desejado. Vivi, isso é, sobrevivi de filmes pornôs, punhetas e prostitutas baratas. Minha aceitação de pós fim de relacionamento durou muito pouco. Ligava para Gabi praticamente todas as noites. Queria dizer o quanto sentia falta de chupar aqueles peitos. Queria ouvi-la dizendo o quanto sentia falta de me chupar. Mas Gabi nunca me atendeu. Talvez por ter mudado o número do celular, por estar dando pra qualquer um da zona norte, ou por medo de não se segurar de tesão ao me ouvir falando de peitos, saudades e perdão. Acho que nunca saberei.

As Quatro Gordas do meu Apocalipse - Parte 2

O que sei é que tentei de todo jeito esquecer aquela vadia. Fui até na igreja um dia, pra ver se tirava a urucubaca. Na igreja comecei a viver meu purgatório. Lá do último banco, avistei uma gorda que era amiga da Gabi. Gláucia era uma dessas amigas gordas que sempre invejaram Gabi por ser gostosa. Provavelmente devia estar ali rezando para Santo Expedito te encontrar um pau amigo, de tão feia que era. Trocamos alguns olhares e saímos antes mesmo do sermão terminar. Falando pelo canto da boca, mandei o padre à merda. A gorda achou aquilo o máximo, mas disse que ainda havia muito da Gabi em mim e prometeu que me faria esquecer ela rapidinho.

Comi a Gláucia por algumas semanas. Enquanto a comia, sentia a falta de poder aguentar uma mulher cavalgando em cima. Ao contrário do que ela havia me prometido, eu só conseguia me lembrar cada vez mais de Gabi. Tentei esquecê-la, ou encontrá-la em mais duas outras gordas quaisquer. Vanessa e Bárbara. Não adiantou. Trepavam como gordas.

Comi também a Duda, que era cheiinha. Bem melhor do que as outras três gordas anteriores, mas ainda assim gordinha. Senti que aquilo poderia ser o início de uma nova era. Duda era a transição entre a gostosura e a gordura. Aquilo parecia ser a transição do meu purgatório em paraíso. Tempos melhores viriam.

Duda era também inteligente e simpática. Nos dávamos bem. Certa vez até a apresentei como namorada para um amigo. Fábio, por sua vez, dias depois me apresentou sua namorada. Linda, com o ar blasè, voz de entediada e um quadril que me levaria à loucura na primeira mordida que desse. E ainda por cima, magra.

Como estou pouco me fudendo para amigos e sentimentozinhos melodramáticos, tratei logo de ir dispensando a Duda e de ir enganando o idiota do Fábio. E foi mais fácil do que pegar gordas.

Bianca, a magrela blasè, me ajudou bastante. Não se fez de difícil nem de puritana. Parecia ter lido em meus olhos a necessidade que eu tinha de comê-la. Após dois dias de conversa no celular, consegui convencê-la a ir ao meu apartamento.

Quando ela tocou o interfone, ouvi uma espécie de harpa celestial tocada por anjos. Eu subiria aos céus novamente, e prometi pra mim mesmo não sair de lá tão cedo. Nada de gordas, falta de fôlego, fracassos pessoais de masculinidade ou posições desconfortáveis. Nada de lembrar de Gabi e me humilhar, rastejando como um verme no cio. Aquela era a minha hora.

Fui logo a atacando. Beijei-a e retirei com força seus seios pra fora. Não eram perfeitos como o de Gabi. Senti certa fraqueza, decepção. Algo em mim me dava vontade de chorar, desistir e me contentar com gordas pelo resto da vida. Mas continuei. Apaguei as luzes do apartamento como uma virgem de quinze anos. Ela perguntou se eu me sentia inseguro com meu pênis ou sei lá o quê. Respondi que sei lá o quê. Ela parecia ser bem experiente, mas estava começando a se sentir incomodada com aquela situação. Não me importei. Continuei a chupando e a apertando, sem dar muito valor aos seios, ainda com certo receio. No final, ela parecia ter gostado. Acendi às luzes e esbocei algumas palavras, apesar de bufar de cansaço como um búfalo.

Bianca me definiu como uma estranha mistura entre inocência e vulgaridade. Eu respondi dizendo que a inocência e vulgaridade estão nos olhos de quem as vê. Eu só estava me sendo.

Hoje estou livre da maldição. Subi aos céus outra vez, mas resolvi voltar ao purgatório, onde se há mais gente como eu. E ainda sinto saudades do meu demônio, Gabi. Um lindo demônio que adorava me fazer cair em tentação, com aquela insanidade e com aqueles peitos. Ah, aqueles peitos...

sábado, 14 de maio de 2011

Sábado Quatorze

Sorte de quem se sente pássaro usando os olhos para ouvir o silêncio.

Sorte de quem usa a infância para se lembrar de como se guarda a alma em cima duma árvore.

Sorte de quem se lembra de incluir em suas orações um “livrai-nos da sensatez, amém”. E nisso, inclua a sorte de quem não sabe se amém se escreve com m ou n, então promete aprender latim no próximo ano. E junto com o latim, vai aprender a fazer pipoca doce, vai ligar mais para sua mãe e quem sabe até largar o cigarro.

Sorte de quem teme que o pão volte a custar trinta centavos. De quem teme que a prefeitura volte a cortar a árvore em frente a sua casa. Sorte de quem teme, mas nunca teme a Deus. De quem conversa com ele, de quem já não procura entender e de quem espertamente se finge de ateu quando um crente bate a sua porta às oito da manhã.

Sorte de quem é chamado de louco, de desperdiçado. De quem desplanejou o futuro e pretende continuar pobre. De quem tem vontade de fugir pro mato, mandando tudo à merda, mas lembra-se que ainda há muitos livros para serem lidos e muitos amigos para serem reencontrados e reinventados.

Sorte de quem sabe cozinhar, mas não aos domingos, por acordar tarde demais. Então enfia cinco mangos no bolso e sai pra rua, se esquecendo de como anda cara essa coisa de viver. E na rua, sente falta de alguém. Pensa na amada umas duas vezes, mas se esquece completamente quando vê uma garota de dezenove anos com seu balançar de bunda esculpida por toda a volúpia desse mundo.

Sorte de quem faz barquinho com todo papel de propaganda de supermercado. Sorte de quem ainda se lembra das canções cantadas pela avó. E acha uma besteira só todas essas músicas novas e histórias mal-inventadas que passam na tevê.

Sorte de quem, no sábado, descobre uma peça gratuita e decide chegar cedo ao teatro, por achar que vai lotar. Descobre então que os teatros não se lotam em sua cidade. Sorte dessa cidade ainda conter a sua infância.

Sorte de quem se vê criança, se vê árvore, se vê pássaro, se vê sem ser visto.